Ficar se lamentando pelo que passou é recriar a dor no presente abrindo mão do novo.

A Era do Amor


dna-tecnologico

Nossa única obrigação consiste em sermos felizes enquanto vivermos e o prazer é condição indispensável à felicidade! Condicionados pela mídia, pelos meios de informação, pelas ilusões vendidas em idéias distorcidas (de todos os que, também sob hipnose, ajudam a difundir o medo), somos constantemente bombardeados pelas informações negativas.

Pense e questione as verdades que lhe são oferecidas. Temos transformado o planeta azul, no planeta cinza da poluição energética, a pior entre todas; o planeta dos sentidos, no planeta dos narcotizados; o planeta da abundância, no planeta da escassez; o planeta do amor, no planeta da dor…

Temos encarado a vida como seres limitados pela matéria, e não como criadores da matéria. Vivemos com a impossibilidade da alegria e do amor, nos conformamos com a luta constante para, ao chegarmos ao objetivo almejado, sermos julgados por um deus tirano que nos castiga com doença e morte!

Esse recado que recebemos do sistema é mentira! A felicidade existe para nós! Vamos pensar! Vamos despertar desse pesadelo criado por nossas mentes hipnotizadas pelo poder da ‘força fraca’. Espalhados por todos os continentes e ocultos por mil nomes diferentes,


os soldados da ‘Força Forte’ oferecem o antídoto à hipnose coletiva, por meio de livros, grupos de trabalho, religiões, terapias, e lentamente já se faz sentir o efeito da guerrilha do despertar do Ser.

Um dos mestres falou repetidamente há dois mil anos atrás: – “Tudo o que faço podereis fazer também, igual ou melhor!”. As Frequências Divinas repletas de Luz e Informação continuam em nosso campo, simplesmente esperando para serem usadas…

tridos para que possam expandir-se, já que cada um deles influencia a outra ponta à qual está conectado, criando assim a unidade ou a teia da vida. E qual o lugar da ‘independência’ nessa teia unificada? Na loucura, na ilusão ou na morte.